Navio Stellar Banner será afundado na costa maranhense

Navio Stellar Banner será afundado na costa maranhense

Documentos oficiais sobre o Navio Mercante Stellar Banner confirmam que a embarcação da empresa sul-coreana Polaris será afundada em águas maranhenses. Depois de quase 100 dias encalhado, o navio, contratado pela Vale, está deteriorado e não tem condições estruturais para navegar, conforme um relatório de inspeção subaquática. O náufrago “forçado” deve ocorrer nos próximos dias e terá que atender as Normas de Autoridade Marítima. Precisamente o item 0203 da Normam 07, do Departamento de Portos e Costas (DPC) da Marinha.

O Stellar Banner encalhou no dia 24 de fevereiro de 2020 após sofrer avaria na proa ao deixar o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira (porto privado da Vale), em São Luís. O problema ocorreu no canal de acesso ao porto, a 100 quilômetros do litoral. O destino da embarcação era a China. O navio é um mineraleiro do tipo Vale Max, chamado de super navio. Ele tinha capacidade para transportar até 300 mil toneladas de carga, segundo o site da Polaris.Na última quarta-feira (3), a Marinha Brasil, por meio de nota à imprensa, informou o encerramento da fase de retirada da carga do Navio Mercante, com remoção de cerca de 145 mil toneladas de minério de ferro.

O blog tomou conhecimento de que a embarcação flutua desde a noite de segunda-feira (1º). O Stellar Banner já teria percorrido alguns quilômetros do local onde ficou encalhado por mais de três meses, mas o navio coreano permanece no território do Maranhão.

RELATÓRIO ACUSA DETERIORAÇÃO DO NAVIO

Na quinta-feira (4), com o navio já flutuando, mergulhadores inspecionaram a parte do fundo do navio. Nesta sexta-feira (5), o relatório fotográfico subaquático da inspeção teria sido entregue ao Departamento de Portos e Costas. O documento comprovou que o casco, principalmente na proa do Stellar Banner, está deteriorado.

No relatório constaria que pelo menos três porões da embarcação estão com problemas que afetam diretamente as dimensões do navio. O que torna a embarcação instável, capaz de emborcar quando sujeita a agentes externos. A situação seria tão grave que o destino dado ao Stellar Banner, o naufrágio, foi inevitável.Atualmente é feita a retirada de equipamentos a bordo do navio. A Marinha do Brasil ainda não informou o dia em que o afundamento será realizado.

AFUNDAMENTO DELIBERADO DE EMBARCAÇÃO AVARIADA

Para que o Navio Mercante Stellar Banner seja afundado, a empresa Polaris necessita de autorização para praticar tal ação, que deve seguir o item 0203 das Normas de Autoridade Marítima. Os itens são (na íntegra):

1- Encaminhar requerimento do responsável ao Capitão dos Portos solicitando autorização para afundamento, e declarando sua intenção de realizá-lo por livre e espontânea vontade, assumindo as responsabilidades decorrentes, em relação aos compromissos com a carga e quaisquer outras reclamações, declarando que as ações que estão sendo planejadas serão executadas por pessoal com conhecimento técnico, habilidade e capacidade necessárias para desenvolver as operações, aplicando as medidas de segurança exigidas, com os equipamentos e as embarcações necessárias para a execução da tarefa e que está preparado para desenvolver outras ações contra ocorrências fortuitas indesejáveis;

2 – Observar os procedimentos preconizados na Convenção de Alijamento (London Convention-72)

3 – Retirar de bordo todos os elementos poluentes e estruturais que possam se desprender do navio e ficar à deriva;

4 – Agendar a inspeção da embarcação para verificação dos itens acima descritos e outros preparativos para o afundamento.

5 – Obter aprovação da Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), sobre o ponto de afundamento.

6 – Obter aprovação do Comando do Distrito Naval (ComDN), que consultará, conforme o caso as autoridades ambientais.

7 – Solicitar autorização à DPC para o afundamento, no ponto previamente aprovado e, após autorizado, informar à DPC a efetiva ocorrência do afundamento para possibilitar a comunicação formal à IMO a ser efetuada pela DPC.Remoção da carga de minério do Stellar Banner começou a ser feita no dia 16 de
abril.

ENTENDA O CASO

No dia 24 de fevereiro de 2020, o Stellar Banner encalhou. Três dias depois, (27 de fevereiro), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) fez seu primeiro sobrevoo na região, e teria encontrado uma mancha de óleo.

Também no dia 27, foi confirmado pela Marinha do Brasil que os tripulantes, 20 pessoas, já tinham sido resgatados com segurança, e levados para a capital maranhense.

No dia 29 de fevereiro, o Ibama informou à imprensa que a mancha de óleo, de 333 litros, era do óleo residual na parte superior do navio e em vários equipamentos. Naquele dia, as embarcações ‘C-Sailor’ e ‘C-Atlas’ utilizaram radares e não foram identificados vestígios de óleo do navio na água. Ainda assim, a mancha se espalhou no entorno da embarcação, numa área de 800 metros. Segundo o Ibama, os tanques com 3,8 milhões de litros de combustível estavam intactos.

No dia 1º de março, uma equipe de mergulhadores começou a avaliar a extensão dos rasgos no casco do navio MV Stellar Banner. No dia 11 de março, duas outras embarcações navegaram para a área onde está o Stellar Banner. Seriam elas: Bigua e Carmoran. A partir das 14h10 daquele dia, começou a ser feita a retirada do óleo combustível e diesel do navio Stellar Banner. No dia 14 de março, teve início a operação de descarga do minério de ferro do porão nº 4 do navio chamado de MV Stellar Banner.

A remoção da carga de minério do Stellar Banner começou a ser feita no dia 16 de abril. Foram transferidas 3,5 mil toneladas para o batelão LEEUW, e despejadas na área de alijamento n° 4. A balsa Superpesa II, que faria o restante do descarregamento, devido supostamente ter equipamentos velhos, apresentou problema e não teve como realizar a atividade, partindo para o Rio de Janeiro, sendo que ainda está a caminho do estado. No dia 28 de abril, foi iniciado o descarregamento de minério de ferro no navio Alfred Oldendorff.Na última quarta-feira (3), a Marinha do Brasil informou que encerrou a fase de retirada da carga do Navio Mercante Stellar Banner. Foram removidas 145 mil toneladas de minério de ferro, tendo sido iniciada a etapa de flutuação no dia 1º deste mês.

Ministro do Meio Ambiente sobrevoa áreaem que navio Stellar Banner está encalhadoOutro episódio foi o sobrevoo do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, na manhã do dia 4 de março, na área em que está encalhado o navio Stellar Banner.

Antes do sobrevoo, durante entrevista coletiva à imprensa de São Luís, na capital maranhense, Salles falou da preocupação do governo federal na retirada do óleo de forma correta, para que não houvesse vazamento e fez elogios ao Gabinete de Crise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *